sábado, 14 de julho de 2012

LUTAR OU SE ENTREGAR AOS DEMÔNIOS?

Quase sempre achamos que as barreiras mais difíceis que enfrentamos estão além de nós, e isso é um grande engano. Cada vez que deparo com certas situações em minha vida, percebo que elas se encontram dentro de mim mesma. E como são difíceis de ultrapassar, meu Deus!

Às vezes, tanta inquietação na alma, tanta pressa, tanta luta interior. Procuro o inimigo ao meu lado e o encontro dentro do meu coração. E dominá-lo exige de mim mais força de vontade do que qualquer outra luta com um inimigo real exigiria de força física. Algumas vezes, eu perco; outras, eu ganho. 

A maturidade me trouxe mais conhecimento de minhas limitações. Pra minha surpresa, não as encontrei em coisas triviais, como no aprendizado de alguma matéria ou ofício novo, ou no enfrentamento de um novo desafio. Isso eu tiro de letra. Mas dominar minhas paixões, meu gênio, minha inquietação, minha intensidade - sou superlativa em tudo, já falei por aqui -, ah!, isso, sim, me consome e desgasta de uma forma cruel.

Passamos a vida inteira lutando contra nossos demônios - e são tantos! Quando vencemos, acreditamos estar mais perto do paraíso. Até que novas tentações surgem e a luta recomeça. Junto com ela, o questionamento: achei que já tivesse superado isso... Quando falhamos, nos martirizamos ou, simplesmente, se formos suficientes sábios, nos reconhecemos eternamente imperfeitos. Isso não traz muito consolo, muito pelo contrário. Inquieta.

Estou em fase de teste pelo Cara lá de cima. Já saquei isso. Tentando passar, mas confesso que Ele está puxando brabo pro meu lado. Coisa demais ao mesmo tempo, e cada uma mexendo com um limite diferente meu. Não sei quando o resultado final dessas provações sairá. Batalho para passar em algumas, sem dúvida. Mas, em relação a outras, eu só desejo sucumbir e me deixar levar.

Que filha imperfeita você tem, meu Deus!